Museus brasileiros devem receber 80% mais visitantes na 15ª Semana de Museus

16 mai 2017

No mês em que se comemora o Dia Internacional dos Museus, em 18 de maio, o Brasil tem muito o que celebrar. O número de visitação em museus brasileiros tem crescido, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC). Em 2015, os museus receberam 675.140 visitantes a mais do que em 2014, subindo de 24.853.648 pessoas para 25.528.788. Os dados se referem a uma amostra (25%) do universo de 3.743 museus existentes no País, referente aos museus brasileiros que responderam pesquisa feita pelo Ibram. Em 2014, responderam 837 museus. Em 2015, 720. Os dados de 2016 ainda estão sendo coletados.
A Semana de Museus, promovida anualmente pelo Ibram e que este ano começa nesta segunda-feira (15/5) e segue até domingo (21/5), tem contribuído para aproximar a população brasileira dos museus. Em 2016, o evento gerou para as instituições participantes um aumento de 79% no número de visitantes no período do evento, segundo pesquisa do Ibram. Desde que o Ibram foi criado, em 2009, o número de visitações mais do que dobrou durante a Semana Nacional de Museus, passando de 614 em 2009 para 1.236 em 2016. A semana também contribui para a movimentação da economia. Houve um crescimento de 21% na geração de emprego e renda no campo museal durante a Semana de Museus de 2016.
O tema da edição de 2017 é Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus, proposto para ser trabalhado em atividades diversificadas pelos 1.070 museus inscritos em 485 municípios, que trarão uma programação especial com mais de 3 mil atividades como palestras, workshops, saraus culturais de artesanato, artes plásticas, literatura e música, peças de teatro, contação de histórias e “garimpo” de objetos antigos junto a colecionadores. Dentre as instituições participantes na edição deste ano não estão apenas museus, mas também casas e centros de cultura, universidades, memoriais, arquivo histórico, escolas e até um hospital.
A primeira edição da Semana de Museus, em 2003, contou com 57 museus participantes. Desde então, este número esteve em uma crescente e, a partir de 2012, mantém uma média de mais de mil instituições participantes.
Diversidade de temas e formatos
Contribuiu para a atração de um maior público para os museus a diversificação das linguagens e temáticas apresentadas, com propostas inusitadas. Há desde museus que resgatam a trajetória de grupos minoritários que foram marginalizados ao longo da história até os que propiciam experiências sensoriais, que promovem atividades lúdicas e pedagógicas e que tratam de temas contemporâneos.
Em São Paulo, o Museu Catavento, criado em 2009, atingiu a marca de 2,5 milhões de visitantes em seis anos de operação, tendo sido o museu mais visitado do estado de São Paulo por três anos consecutivos. O Catavento apresenta a ciência de forma instigante. O visitante pode tocar um meteorito de verdade, encontrar Gandhi em uma escalada, conhecer o corpo humano por dentro, entender como funciona um gerador de energia ou ainda descobrir que o sol, visto de perto, não é tão redondo como parece quando estamos na praia.
Ainda em São Paulo, o Museu da Diversidade foca nas identidades de gênero, orientações sexuais e expressões de gênero das minorias sexuais. É um espaço de convivência, manutenção da memória da população LGBT e estudos acerca da diversidade sexual.
Saindo das grandes capitais do Sudeste, numa aldeia indígena no interior de Rondônia, município de Cacoal, um museu inaugurado em 2016, o Paiter A Soe, resgata a cultura que a tribo Paiter Suruí vem perdendo ao longo dos quase 50 anos de contato com os não indígenas. Na cidade de Redenção, no Ceará, o Museu Histórico e Memorial da Liberdade conta histórias sobre a abolição dos escravos no município de Redenção, que foi o primeiro a libertar os escravos do Brasil. Em Salvador (BA), o Memorial Casa do Rio Vermelho (Salvador-BA) conta a história da vida de Jorge Amado e Zélia Gattai.
O Ibram
O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) foi criado em 2009 para promover políticas públicas para melhoria dos serviços do setor – aumento de visitação e arrecadação dos museus, fomento de políticas de aquisição e preservação de acervos e incentivar ações integradas entre os museus brasileiros. Estão atualmente sob sua administração direta 29 museus.
Confira abaixo destaques da programação:
Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro – Rio de Janeiro)
20/05/2017 a 21/05/2017 – 13h às 17h
Considerado o mais importante museu de história do país, reúne um acervo com cerca de 258 mil itens, e na Semana de Museus promove uma ação educativa: figuras importantes de nossa história serão julgadas pelo júri popular (visitantes). No julgamento, o dizível e o indizível balizarão as argumentações da promotoria e defesa.
Museu de Folclore Edison Carneiro (Rio de Janeiro-RJ)
16/05/2017 a 26/05/2017 – 10h às 18h
Possui uma cordelteca, com folhetos de cordel com cantorias, desafios, cangaço, religiosidade popular, fatos políticos e do cotidiano, entre outros. Soma hoje cerca de 16 mil objetos de vários autores, técnicas e procedências, abrigados em reservas técnicas, disponíveis para consulta de pesquisadores. Durante a Semana de Museus, promove visita com técnicos da equipe sobre concepção e execução da nova exposição de longa duração, cujo tema é “Os objetos e suas narrativas”.
Catavento Cultural e Educacional (São Paulo-SP)
20/05/2017 – 10h30 às 15h
Aproxima crianças e jovens do mundo científico, por meio de exposições interativas. Durante a Semana de Museus, promove visita mediada pelo Palácio das Indústrias, sede do Museu Catavento, que acaba de concluir importante restauro. Na ocasião serão apresentados os aspectos históricos e arquitetônicos do edifício.
Museu Paiter A Soe (Cacoal-RO)
Inaugurado em 2016 pela tribo Paiter Suruí, é o primeiro museu de Rondônia dentro de uma Terra Indígena, na aldeia Gapgir, localizada na Terra Indígena Sete de Setembro, a 60 quilômetros de Cacoal, Rondônia. Nasceu da preocupação da tribo com as perdas culturais sofridas durante os 47 anos de contato com os não indígenas. O projeto foi idealizado pelos indígenas e construído com apoio da Associação Gabgirey; da Funai, por meio da Coordenação Regional de Cacoal; da Rede Indígena de Memória e Museologia; e da Coordenação Regional de Educação de Cacoal. O responsável pelo projeto é o professor Luiz Wymilawa Suruí. Durante a Semana de Museus, apresentará Contação de História com o tema Dizer o indizível: História do contato na perspectiva dos sabedores paiter. A programação será a mesma todos os dias, no mesmo horário.
Canto das Memórias Mestre Zé Negão (Camaragibe-PE)
19/05/2017 – 14:00 às 16:00
Reconhecido como museu comunitário de história e cultura, rico em brincadeiras, sambadas, cineclubes e oficinas, tem em seu acervo instrumentos musicais, tecidos, fotos e diversos objetos artesanais. Durante a Semana de Museus, promove roda de diálogo com a Mestra Fátima, que partilhará suas memórias e vivências enquanto mestra do bordado e da costura.
Museu do Escravo (Belo Vale-MG)
16/05/2017 a 19/05/2017 – 07:00 às 16:00
Ação Educativa – Projeto O Indizível da Escravidão: contempla alunos dos 6º anos da Rede Estadual de Ensino e discute a escravidão no Brasil, um assunto pouco ou não abordado nas escolas ou no cotidiano.
Associação Museu Nacional do Calçado (Novo Hamburgo-RS)
17/05/2017 – 19h30 às 22h
Aula aberta – Narrativas controversas nos Museus e nos Monumentos: entre o dito e o “não dito”. Evento realizado em parceria com o Museu e os cursos de História e Pedagogia da Universidade Feevale.
Museu da Imagem e do Som de Goiás (Goiânia-GO)
16/05/2017 – 09h às 12h
Audição comentada de discos de vinil: Por meiode discos selecionados (jazz e rock) serão discutidos temas, por vezes indizíveis, como racismo e sexismo.
Museu da Diversidade (São Paulo-SP)
Tem foco especialmente nas identidades de gênero, orientações sexuais e expressões de gênero das minorias sexuais. Espaço de convivência, manutenção da memória da população LGBT e estudos acerca da diversidade sexual
Museu Ferroviário Domingos Lage (Cachoeiro de Itapemirim-ES)
25/04/2017 a 25/06/2017 – 12h às 18h
Seu acervo é composto por fotografias, documentos, peças originais de trens e maquetes, valorizando a memória da cidade de Cachoeiro de Itapemirim. A ferrovia ligava o município de Cachoeiro a importantes centros comerciais, como Vitória e Rio de Janeiro. Durante a Semana de Museus, o Museu Ferroviário vai buscar objetos antigos junto aos colecionadores do município, que serão expostos em controversa com os atuais. Eles ficarão lado a lado favorecendo a comparação visual.
Museu Histórico e Geográfico de Monte Sião (Monte Sião-MG) 
Exposição permanente com objetos que contam a história da cidade, com a reprodução fiel de uma gruta, com peças reais de cavernas. Também expõe roupas, artesanato, armas de fogo, utensílios domésticos e até materiais indígenas e objetos usados na medicina e odontologia. Durante a Semana de Museus, trará a exposição fotografias antigas, que retratam situações do cotidiano de época e o atual tema “o que é indizível apenas o olho vê”. A exposição pretende cativar o público por meio da experiência visual controversa
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura